A voz da avó: Avó é mãe com açúcar

A voz da avó. Coisa poderosa. Não importa qual é o timbre, se é estridente, rouca ou tremida. Não importa se é mansa ou gritada. Não importa se é ou não capaz de entoar canções de ninar.
Ela pode dizer tudo o que quiser sem que soe como exigência, afronta ou desaforo. Tem carta branca e livre trânsito, não nos acua e mesmo quando pergunta o que não deve, não provoca qualquer sentimento de reprovação.

A voz da avó


Ela soa sempre como cuidado, como demonstração genuína de afeto, ainda que, às vezes, por vias tortas.
A mesma frase, na voz da mãe e na da avó soa completamente diferente.
“Você não comeu?”
Na voz da mãe é cobrança, na outra é oferta. Na voz da mãe é preocupação, a avó é cuidado. Na voz da mãe é ordem, quando trata-se da avó é doce.
“Você está sem casaco?”
Na voz da mãe, vem bronca, quando a avó fala, vem lã. Na voz da mãe é gripe, conversa de avó é chocolate quente. Na voz da mãe é “eu canso de falar pra você se agasalhar”, quando é a avó que fala nunca tem cansaço, mesmo com as cordas vocais já tão gastas.
Longe de ser uma acusação às mães. Muito pelo contrário. Mães são o que tem que ser: educação, firmeza, base. Já as avós, podem se dar ao luxo de ser o que querem ser: delícia, leveza, afago.
Nem sempre elas dirão coisas boas. Às vezes vão dar seus gritos, seus resmungos, suas reclamadas. Porque são humanas. Aliás, são deliciosamente humanas.
Feche os olhos, ouça o que a sua avó tem a dizer.
Faça uma gravação imaginária. Guarde na sua melhor gaveta. Ouça de novo. Garanta que não esquece. Tenham certeza que elas não duram para sempre. Mas a voz delas sim. A voz delas marca e fica. Ouça enquanto pode e guarde naquela sua gaveta. Na melhor gaveta de todas que é a do coração, já que não podemos simplesmente atracá-las ao peito.”
Autor desconhecido

O autor pode ser desconhecido, mas a verdade no texto é bem facilmente conhecida por muitos. Desde o primeiro aninho do bebê que o amor e a doçura entre netos e avós se entrelaçam, até nos pequenos gestos como apresentar um pintinho se tornará um momento marcante na memória da criança e serão muitos fatos parecidos que só avó pode e sabe fazer. Elas são feito anjos e tem cheiro de bolo e outras guloseimas. Ai ai, felicidade é enfim tudo isso bem assim! Beijos .

Lilian Alves

Olá eu me chamo Lilian Alves, me tornei mãe aos 37 anos da pequena Sarah e quero compartilhar a experiência de poder ser feliz sempre, nessa nova etapa que é ser mãe!

Website: http://praviverfeliz.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *