Paternidade: hoje é pra ser diferente

Ultimamente tenho ouvido falar muito sobre paternidade citando que nos dias de hoje é pra ser diferente.

Antigamente a mulher tinha os filhos e sua tarefa era cuidar deles e da casa enquanto o pai tinha a obrigação apenas de trabalhar para pagar as contas, mas hoje é sim, bem diferente quando o assunto é paternidade.

Paternidade: hoje é pra ser diferente

No Brasil, cinco milhões e meio de crianças não tem o nome do pai em seu registro.

Na verdade, esse é o número que temos dos pais que não registraram seus filhos.

E os que registraram e nunca estiveram presentes?

Hoje é pra ser diferente, e existem até muitos pais criando blog para discutir e expor seus medos e angústias da paternidade no mundo moderno, das alegrias da entrega e da convicção de que a paternidade ativa é uma arma poderosa para transformar a sociedade. https://paizinhovirgula.com/carta-ao-pai-ausente/

Meu marido, mesmo já tendo filhos de outros relacionamentos, viu pela primeira vez o nascimento de um filho, no parto da nossa Sarah, e ele descreve como a maior emoção já sentida por ele.

Pela primeira vez despertou nele o sentimento real do que é ser pai, de ver nascer aquela pessoinha totalmente dependente dos pais.

Paternidade 1
Paternidade 2

Ajudar a mãe nos cuidados com o bebê também é essencial para criar um vínculo verdadeiro, saber não apenas segurar um bebê e sim cuidar junto com a mãe. Trocar fralda, fazer dormir, dar mamadeira. Quem foi que disse que pai não pode fazer essas tarefas?

Pegar a criança toda bonitinha, pronta pra passear e na volta entregar pra mãe cuidar é muito fácil! Tem que por a mão na massa. Ficar noites sem dormir, vigiar quando está com febre, ter paciência pra dar comida, lavar o bumbum de cocô, tudo isso é também obrigação do pai.

O mundo está em um momento em que não dá mais pra aceitar certos tipos de preconceitos, de comportamentos abusivos, temos que participar ativamente da criação e educação de nossos filhos, pois o futuro próximo desse mundo cheio de mazelas depende dos filhos que temos hoje e daquilo que ajudamos a eles se tornarem.

A paternidade hoje se tornou diferente pela necessidade da mudança de comportamento dos homens em relação à muitas coisas, como por exemplo a assumir responsabilidades que antes eram colocadas nas mães, nos avós, nas creches e nas escolas.

O mundo como sempre vai oferecer aos nossos filhos coisas boas e ruins. Os nossos bebês se tornarão adolescentes e adultos e começarão a ouvir o mundo lá fora, longe do alcance dos nossos olhos e da nossa proteção e como eles responderam aos chamados do mundo, da rua, da vida, das outras pessoas, das drogas, dos preconceitos, da aceitação ou rejeição dos grupos?

O quanto de autonomia e maturidade nossos filhos terão para se opor ao que não é certo? Será que eles irão lembrar do que conversamos em casa?

A responsabilidade pelos erros cometidos pelos filhos no futuro será apenas da mãe e da escola? Claro que não.

Para que existem os pais? Qual seu papel? Que mudanças de comportamento este pai de hoje deve ter para ser um pai diferente, um pai presente, atento, melhor?

Conversar sobre o assunto é imprescindível. Escutar os filhos, olhar nos olhos, dar atenção, repreender com firmeza, ser exemplo.

A partir de tudo isso, essa paternidade diferente, do mundo moderno vai formar bons filhos para transformação desse mundo hoje tão corrompido, com esse Brasil tão desenganado. Serão os nossos pequenos de hoje, motivados por estes pais diferentes que transformarão a sociedade e o lugar onde vivem, com dignidade, onde existam políticas justas e um mundo melhor.

Você pai que ainda não está se comprometendo com suas obrigações está mais do que na hora de mudar.

Lilian Alves

Olá eu me chamo Lilian Alves, me tornei mãe aos 37 anos da pequena Sarah e quero compartilhar a experiência de poder ser feliz sempre, nessa nova etapa que é ser mãe!

Website: http://praviverfeliz.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *